Pitty - Chiaroscuro

Attention: open in a new window. PrintE-mail
A cantora Pitty chega ao seu terceiro álbum - também pela Deckdisk - e mostra que ainda tem força para reinar sozinha entre o público adolescente, ainda que a rebeldia de antes tenha se arrefecido um pouco. A cantora, que já abandonou essa fase da vida há um bom tempo, aposta em letras mais trabalhadas e cheias de citações à obras literárias - algo presente em toda a sua carreira, mas que agora chega ao seu ápice - neste que pode ser chamado de seu disco mais "adulto".
 
Provavelmente você terá lido algo parecido com o descrito no parágrafo acima em outras publicações. Mas é difícil fugir do lugar comum quando ouvimos um disco que, mesmo mantendo ligações óbvias com os trabalhos anteriores, consegue fugir da pura e simples comparação com o que a cantora fez até hoje. E isso não tem absolutamente nada a ver com as "viagens" sonoras de Chiaroscuro - que chegará às lojas no dia 11 de agosto -, como o meio tango, meio rock de Água Contida, mas sim a atitude por trás das letras atuais.
 
Sai aquela Pitty de Teto de Vidro e entra a Pitty de Fracasso, com batida new wave, e Me Adora, com o emblemático refrão "que você me adora/ que me acha foda/ não espere eu ir embora pra perceber", que os mais chatos chegaram a falar ser de mau gosto, quando na verdade apenas reflete a forma como nos comunicamos atualmente, quando foda deixa de ser palavrão para se tornar um adjetivo superlativo. As guitarras, antes mais fortes e pesadas, também deram lugar a arranjos mais calmos. Da mesma forma, Pitty canta de um jeito mais contido, sem a "gritaria" presente em Adorável Chip Novo.
 
A cantora chega até mesmo a criticar os jovens em Todos Estão Mudos, que fecha o CD e é a melhor faixa de Chiaroscuro. A critica atinge em cheio o grosso de seus fãs, quase chamando-os quadradões (sim, esse é do tempo dos meus avós) e com medo de botar suas opiniões pra fora. Em entrevista ao UOL Música, Pitty explica que a nova geração não passou por ditaduras ou guerras, por isso acredita que estejam "muito passivos". Mas de burra e revolucionária a cantora não tem nada, duas baladinhas bem água com açucar, foram incluidas no álbum. Só Agora deixará os fãs mais apaixonados felizes, já A Sombra, lembra Vange Leonel e a Nau, sua antiga banda. É pop, é romantica, mas ao mesmo tempo tem uma força difícil de entender.
 
Chiaroscuro é um disco que mostra duas facetas bem distintas da Pitty. A primeira é a roqueira que surgiu para a música com o antigo Inkoma e logo depois partiu para carreira solo com o bom Adorável Chip Novo, além de ainda estar ligado ao seu passado punk rock - ouça Medo para entender. A segunda é uma cantora um pouquinho mais velha - Pitty está com 31 anos - e mais vivida, que não precisa abusar do "barulho" para se fazer ouvir, afinal, boa parte de seus fãs também cresceu e é sempre bom escrever para essa turma um tantinho mais velha.
 
Álbum: Pitty - Chiaroscuro
Gravadora: Deckdisk
Ano: 2009

Facebook

AGENDA

<<  April 2014  >>
 Mon  Tue  Wed  Thu  Fri  Sat  Sun 
   1  2  3  4  5  6
  7  8  910111213
14151617181920
21222324252627
282930    

NEWSLETTER

Deixe seu nome e e-mail para receber nossa newsletter.