Odio aos emos

Attention: open in a new window. PrintE-mail

Você pode até achar as músicas muito chatas, entender que o visual da molecada emo é um tanto andrógino e que boa parte dos fãs está nessa única e exclusivamente por que ser emo está na moda - ou estava, de acordo com alguns sites e comunidades -, mas o que justifica tamanha raiva e violência contra estas pessoas e críticas extremamente ácidas em relação ao trabalho musical das bandas?

A resposta pode estar ligada à violência natural do ser humano, insuflada pela suposta fragilidade física e emocional dos emos, mas a verdade é que eles são o novo judas da cultura pop, aquele que todos adoram malhar - em todos os sentidos - e, por manterem um visual dúbio em relação à sua sexualidade, tornaram-se vítimas de preconceito e são taxados, indiscriminadamente, de gays. Basta uma rápida pesquisa no google usando as palavras ´odeio emo´ para encontrarmos 39 mil citações ao tal ódio.

Na música, o termo emo é usado de forma tão pejorativa, mais até que o termo pop era até a década passada, e toda e qualquer banda que crie letras com teor sentimental são chamadas de emo. No campo pessoal a coisa muda de figura, não são apenas xingamentos e ofensas, mas brigas e ferimentos e aí que o que deveria ser apenas uma divergência de opinião e gosto musical ultrapassa a barreira das palavras e chega à de ignorância pura, sendo que, novamente, punks e skinheads estão no centro da confusão.

É a velha história do mais forte contra o mais fraco, não importando se o ´mais forte´ normalmente está rodeado de amigos e o mais fraco normalmente sozinho, e, antropologicamente falando, é algo que rola desde as mais priscas eras e dificilmente vai mudar, ou seja, simplificando ao máximo, não passa de uma forma de auto-afirmação e demonstração de poder, no qual os mais fracos são obrigados a submeterem-se a qualquer tipo de humilhação e darem-se por felizes por terem sido ´notados´. A partir daí qualquer tipo de tentativa em explicar a situação se perde. Os emos são os fracos que devem ser massacrados pelos fortes, independentemente de atrapalharem sua vida ou não. Ridículo? Pois é, mas é o mesmo pelo que já passaram as mulheres, os negros e os homossexuais, obviamente em escala estupidamente maior, fazendo uma comparação extrema.

Falar que nem todo o emo é gay é ´chover no molhado´. Falar que essa molecadinha tem o direito de sair às sete da manhã, usando maquiagem, roupas pretas e colar também é. Do mesmo jeito que podem ouvir o que bem entender e ninguém tem nada com isso. O mesmo se formos dizer que ninguém tem o direito de bater em ninguém só porque não gosta do estilo do cara. Então qual a solução? Chamar a polícia? Sabemos que a PM não resolve grande coisa, ainda mais se o problema estiver ligado a alguma minoria - sim, os emos ainda são uma minoria. Mas o que leva alguém a odiar os emos? Vasculhando dezenas de comunidades e listas de discussão as justificativas encontradas são as mais fúteis possíveis, desde que todos são gays, posers, ´modinhas´, ridículos (por causa da mania de usar franja e se portarem como se vivessem em eterna depressão, etc...), por usarem senhorito (sic) e senhorita antes do nome, por abusarem da letra ´x´ ao ´ixcreverem´, andam de mãos dadas. Ok, algumas coisas são realmente irritantes, como a mania de alternar letras maiúsculas e minúsculas em uma frase e o uso do ´x´... tá tá, usar maquiagem e ficarem com aquele ar blasé o tempo todo também não ajuda muito, mas analise, será que você nunca exagerou em alguma coisa na sua adolescência?

Voltando à música, afinal o que é emocore? O estilo nasceu em Washington, no final dos anos 80, pegava a velocidade do hardcore e do punk e colocava letras mais sentimentais, indo contra a maré da politização característica do punk rock. Hoje qualquer banda que faça algo parecido é, erroneamente na maioria das vezes, taxada de emo e existe uma grande confusão quando falamos em emocore e hardcore melódico - a diferencia está justamente nas letras, extremamente mais melosas no emocore.Hoje, muitas bandas que até um ou dois anos assumiam-se como emos, relegam o estilo como se fosse uma chaga que contaminaria a todos e preferem dizer que fazem hardcore. Já o estilo dos emos é uma mistura do visual punk, com maquiagem gótica - alias, os góticos sofrem quase da mesma discriminação, a diferença é que as bandas góticas são mais respeitadas -e uma atração por badulaques infantis. Talvez esse seja o ponto da discórdia, os emos abduziram o punk rock, transformando-o em algo, digamos, mais colorido, sentimental e assexuado.

A verdade é que se não conseguimos superar os preconceitos tradicionais, o que dirá destes mesmos preconceitos em relação a algo que é moda, que loguinho irá acabar e os ´amantes´ do estilo tratarão de esconder tal passado com sete chaves? Mais? Como não recriminar este povo quando os próprio emos descriminam outros emos, só por estes gostarem de artistas mais comerciais? E assim o mundo continua dando suas voltas com a violência humana dando cada vez mais sinais de que nossa espécie não merece ter um lugar neste mundo.

Facebook

AGENDA

<<  April 2014  >>
 Mon  Tue  Wed  Thu  Fri  Sat  Sun 
   1  2  3  4  5  6
  7  8  910111213
14151617181920
21222324252627
282930    

NEWSLETTER

Deixe seu nome e e-mail para receber nossa newsletter.