O preço da fama

Attention: open in a new window. PrintE-mail

Esse pensamento me acompanhou até bem pouco tempo até o dia em que, folheado uma daquelas revistas bundas de fofocas, fiquei enojado com aquelas matérias sobre Cicarelli e Ronaldo. Do tipo: dia tal, ela vai ao parque, volta para casa, troca a calcinha e pensa no amor que está viajando; dia seguinte, ela chora vestindo uma blusinha cor-de-rosa, faz xixi e telefona pra mãe pra desabafar. Aí eu ligo a TV e vejo aqueles programas do canal Entertainment que mostram os paparazzi e jornalistas perseguindo as celebridades de forma animalesca.

Daí, parando pra pensar, chega-se à conclusão de que deve ser uma merda ser seguido todo tempo por um bando de sanguessugas e virar manchete naqueles jornais e/ou revistas que exploram a vida pessoal dos outros. Fulano de tal fumou um baseado, cicrano traiu a mulher, beltrano deu o cu, Sandy é virgem, Junior é bicha, Luana é puta. Porra, que falta de privacidade. Eu, que gosto de andar nas ruas, ficar horas em lojas de discos e livrarias, caminhar nas praças, bebericar um chopinho nos bares da vida, ia perder isso se fosse famoso. Tá certo que iria ter dinheiro, apesar de não ser regra, mas ia ter uma porrada de gente me perseguindo e comentando para quem quiser ouvir com quem eu saio, quem eu como, quem eu deixo, o que eu visto, o que eu ouço, enfim, perderia minha liberdade de ir e vir, de fazer o que quero porque sempre vai ter um filho da puta com uma câmera pra me fotografar e se eu reclamar vão dizer que estão fazendo o trabalho deles e que eu sou um esnobe, etc. No dia seguinte, o Nelson Rubens faria os seus comentários viados sobre meu péssimo comportamento com a imprensa, que é sempre a vítima.

Lembro do episódio do Lulu Santos dizendo que achava a música sertaneja uma porcaria. Daí veio um da dupla Cocozinho e Cocoró e elogiou o Lulu, rasgou a seda, tipo falando bem para ficar por cima. Lulu, que deve ter levado uma bronca do empresário ou da gravadora, teve que se retratar. A mesma coisa aconteceu com o Menudo. Quem lembra da adaptação genial que ele (Lulu) fez no Rock In Rio 1? "Você pensa que Menudo é homem? / Menudo não é homem não / Menudo faz assim com o braço (mostrando uma das coreografias) / depois faz assim com a mão (desmunhecando). Foi o maior bafafá. Menudetes quebrando os discos do Lulu, Gugu tendo chilique, enfim, um caos. Lá foi ele se retratar.

Entendo que os fãs querem saber sobre seus ídolos. Eu sou assim, ora bolas. Tudo que sai sobre Beatles, Doors ou Led Zepellin me interessa. Mas desprezo essa indústria que explora descaradamente a privacidade das pessoas. Justamente por ser fã, eu execro a chamada imprensa marrom do entretenimento.

Com tudo isso, decidi não ser mais famoso. Vou tocar com minha banda de garagem em algum pub, sair com a rapaziada pra onde quiser, paquerar quem eu quiser, fumar que eu quiser, beber o que eu quiser que ninguém tem nada a ver com isso. E se, por acaso, for descoberto por uma gravadora e for
nomeado como o salvador do rock, já tenho uma frase pronta para os perseguidores de celebridades. Meus caros, façam a gentileza de irem tomar no olho dos vossos ânus? Obrigado. Fui educado, não?

Facebook

AGENDA

<<  April 2014  >>
 Mon  Tue  Wed  Thu  Fri  Sat  Sun 
   1  2  3  4  5  6
  7  8  910111213
14151617181920
21222324252627
282930    

NEWSLETTER

Deixe seu nome e e-mail para receber nossa newsletter.