Wednesday Jul 23

Leonard Cohen

Attention: open in a new window. PrintE-mail

divulgaçãoFilho de uma família de classe média judia, Cohen nasceu em Montreal. Seu pai, um comerciante de roupas e engenheiro por formação, morreu em 1943, quando Cohen tinha apenas 9 anos. Sua mãe passou a encoraja-lo a escrever, principalmente poesias, durante sua infância. Aos 13, começou a tocar guitarra unicamente para impressionar uma garota do colégio onde estudava, pegou gosto e passou a se apresentar em alguns clubes e bares country, formando, depois, o the Buckskin Boys. Aos 17, suas poesias começam a ganhar a comunidade underground da cidade, e em 1956, lança seu primeiro livro de poesias, Let Us Compare Mythologies, ganhando várias críticas positivas, mas vendendo muito pouco.

Não ligando muito para a música, lança, em 1961, seu segundo livro de poesias, The Spice Box of Earth, um grande sucesso editorial, tanto de crítica como de vendas, e transforma-se em uma das grandes promessas da literatura mundial. Tenta atuar nos negócios de sua família e passa o tempo na Universidade de Columbia, em Nova York, escrevendo durante quase todo o dia. Graças ao dinheiro recebido pelas vendas de seu segundo livro, um prêmio literário vindo do governo canadense e da herança de sua família, ele tem uma vida confortável, viajando por todo o mundo, experimentando várias drogas - principalmente LSD, que até então não era proibido - e passando muito tempo na ilha de Hydra, na Grécia. Neste período, Cohen continuou escrevendo e lançou os romances The Favorite Game (1963) e Beatiful Losers (1966), além de outros dois livros de poesias, Flowers for Hitler (1964) e Parasites of Heaven (1966).

The Favorite Game é quase auto-biográfico, tratando de sua infância quando vivia em Montreal, mas foi Beautiful Losers que chamou a atenção da crítica, que chegou a compará-lo a James Joyce - o livro, até hoje, figura entre os mais vendidos na América do Norte. Mais ou menos nesta época, Cohen recomeça sua carreira musical, que, para os críticos, é uma continuação de suas poesias. Devido a sua estadia na ilha de Hydra e seu estilo de vida depois que deixou a Grécia, Cohen acabou por se tornar um ícone cultural dos anos 60 e a combinação de sua voz única e excelência nas composições o transformaram em um dos nomes de maior sucesso musical desde a década de 40.

Cohen mudou-se para Nashville e durante o pouco tempo que passou na cidade escreveu como nenhum outro compositor na época, mas, se não fosse a intervenção de Judy Collins, cantora iniciante, que havia conquistado reconhecimento no mercado ligado à folk music, Cohen poderia ter caído no mesmo esquecimento que vários outros compositores caíram quando Bob Dylan enveredou pela música elétrica, deixando o violão acústico de lado. Collins colocou em seu repertório, e também em seu álbum In My Life, a canção Suzanne. O disco acabou tendo uma fria recepção no círculo da música folk devido à regravação feita para uma canção dos Beatles.

Graças a Collins, Cohen resolveu voltar a se apresentar ao vivo e fez a sua reestréia em 1967, no Newport Folk Festival, seguido por dois shows totalmente lotados em Nova York. O músico também apareceu na CBS, apresentando algumas de suas canções e poesias. Neste mesmo tempo, o ator e cantor Noel Harrison regrava Suzanne e a música chega ao topo das paradas norte-americanas.

Na apresentação feita em Newport, Cohen foi visto por John Hammond Sr., produtor conhecido por seu trabalho com Billie Holiday, Benny Goodnam e Bob Dylan. Hammond levou Cohen a assinar um contrato com a Columbia Records, por onde lança seu primeiro álbum, The Songs of Leonard Cohen, que chega às lojas no natal de 1967. O disco se transforma rapidamente em sucesso entre os amantes da folk music e vende mais de 100 mil cópias.

Devido ao sucesso, suas outras atividades acabaram negligenciadas, mas em 1968, Cohen lança um novo livro, Selected Poems: 1956 - 1968, incluindo velhas e novas poesias. Ao mesmo tempo, muda-se para o Chelsea Hotel, em Nova York, tendo como vizinha a cantora Janis Joplin, além de vários outros compositores menos conhecidos, mas que acabaram influenciando suas músicas. Seu próximo disco, Songs from a Room, lançado em 1969, tem como característica uma grande melancolia e mostra Cohen interpretando uma canção, The Partisan, não escrita por ele. A música foi gravada, posteriormente, por Joan Baez, fazendo mais sucesso na voz da cantora. O disco vendeu menos que o anterior e as críticas também não foram tão favoráveis, talvez devido ao tom minimalista que o produtor Bob Johnston impôs ao trabalho, ainda assim, duas canções, Bird on the Wire e The Story of Isaac, acabaram se transformando em standards da folk music. The Story of Isaac fala sobre o Vietnan e torna-se uma das primeiras canções anti-guerra já lançadas.

Mesmo não sendo um nome popular, Cohen foi chamado, em 1970, para se apresentar no festival de Isle of Wight, na Inglaterra, ao lado de nomes como Jimi Hendrix, Doors e Joni Mitchell. Acompanhado por seu violão e duas backing vocals, e entre os shows de Miles Davies e do power trio progressivo Emerson, Lake & Palmer, o músico enfrentou um público de mais de 600 mil pessoas. Uma parte de sua apresentação foi lançada em disco pouco tempo depois e mostrada no documentário Message to Love: The Isle of Wight Festival, de 1996.

No ano seguinte, em 1971, Cohen lança seu terceiro disco, Songs of Love and Hate. O disco, com arranjos de Paul Buckmaster, contou até com coral de crianças em Last Year´s Man, além de mostrar o músico mais seguro nos vocais em canções como Joan of Arc e Famous Blue Raincoat, e trazer arranjos com guitarras elétricas. O disco acabou atravessando as fronteiras da América do Norte e fez de Cohen um cantor cultuado internacionalmente, culminando com o uso de suas canções por Robert Altman, diretor do filme McCabe e Mrs. Miller, estrelado por Warren Beatty e Julie Christie. No ano seguinte, uma nova coleção de poesias, The Energy of Slaves, foi lançada e um novo álbum ao vivo, Leonard Cohen: Live Songs, chegou às lojas. Ainda em 1973, suas músicas serviram de base para a peça Sisters of Mercy, criada por Gene Lesser. A peça mostrava uma versão fantasiosa da vida do próprio Leonard Cohen - e também serviu como inspiração para a banda The Sisters of Mercy encontrar seu nome.

Apesar de não gravar nada entre 1971 e 1974, Cohen continuou se apresentando ao vivo nos Estados Unidos e Europa, além de tocar em Israel durante a guerra do Yom Kippur. Neste periodo, começou a trabalhar com o pianista e arranjador John Lissauer, que acabou por produzir o álbum New Skin For the Old Ceremony, lançado em 1974. O disco foi muito bem aceito por seus fãs, ao mesmo tempo que mostrou que ele poderia ser mais comercial, mesmo que suas canções continuassem depressivas e frias. Em 1975, a Columbia lança a coletânea The Best of Leonard Cohen, com 12 canções retiradas de seus quatro discos já lançados.

Dois anos depois, Cohen começa a trabalhar com Phil Spector e lança o álbum Death of a Ladies´ Man, considerado seu disco mais controverso e menos compreendido. Seu trabalho ao lado de Spector, que em um primeiro momento parecia uma boa idéia, causou arrepios à Cohen, já que a forma de trabalho dos dois era totalmente diferente. O resultado foi um disco com os piores atributos de Cohen e Spector, excessivamente denso e colocando os ouvintes dentro da persona depressiva de Cohen, além de mostrar suas limitações vocais, levando o músico a gravar seus piores momentos em todos os takes de gravação. Pela primeira e única vez em sua carreira, Cohen viu que seus defeitos não funcionaram como algo positivo, ao contrário de seus discos anteriores, deixando-o totalmente descontente com o resultado. Então, para manter sua reputação inabalada, lança, no ano seguinte, um novo livro, também com o nome de Death of a Ladie´s Man. Em seu próximo álbum, Recente Songs, Cohen retorna ao seu estilo tradicional. Trabalhando com o produtor Henry Lewis, mostra-se um cantor mais atrativo e expressivo, e canções como The Guests e Humbled in Love parecem totalmente belas.

Depois de Recent Song, somente em 1984, Cohen volta à música, agora com o álbum Various Positions - além de lançar um novo livro, The Book of Mercy, com poesias e textos religiosos.O disco, que contou com a participação de Jennifer Warner, é considerado o mais acessível trabalho de sua carreira e abriu espaço para outras várias colaborações entre Cohen e Warner. Mas Cohen andava ocupado com várias outras atividades, como um curta-metragem, I Am a Hotel, e ao filme Night Magic, que chegou a ganhar o Juno Award, no Canadá, de melhor filme do ano. Por outro lado, Various Position foi quase esquecido pela mídia e público. Com isso, Cohen some de cena novamente, voltando apenas em 1988, com o álbum I´m Your Man. Apesar de Cohen não ter gravado nada durante estes quatro anos, a Warner acabou lançando um disco apenas com composições do músico. Famous Blue Raincoat vendeu muito bem e acabou levando a música de Leonard Cohen a uma nova geração de ouvintes.

Embora I´m Your Man venha recheada com uma produção eletrônica e até com um pouco de humor nas letras, o mix de pessimismo e os conceitos poéticos usados por Cohen fizeram deste trabalho um dos mais bem sucedidos de toda a carreira do músico, como resultado, em 1991, foi lançada a homenagem I´m Your Fan: The Songs of Leonard Cohen, com participação de bandas como REM, Pixies, Nick Cave e John Cale, trazendo o trabalho de Cohen cada vez mais para a década de 90. Aproveitando o interesse renovado pelo seu trabalho, Cohen lança The Future, que não chegou a atrair o ouvinte acostumado com os sucessos que passavam na MTV, e deixando as vendas bem abaixo do esperado. Com isso, Cohen lança um novo trabalho ao vivo, Cohen Live. No ano seguinte, uma nova homenagem, o disco Tower of Song, com canções regravadas por nomes como Billie Joel e Willie Nelson.

Neste ponto de sua carreira, Cohen resolve embarcar em uma nova fase de sua vida. Ele abraça a religião e passa algum tempo no templo budista de Mt Baldy Zen Center, na Califórnia, tornando-se monge budista pouco tempo depois. Quando volta à música, em 1999, tem dúzias de novas composições e poemas prontos, e começa a trabalhar com Sharon Robinson, que acaba produzindo o novo álbum do cantor, Ten New Songs, lançado em 2001. Em 2004, com 70 anos, Cohen lança um novo trabalho controverso, Dear Healther. Sua voz mostra-se mais limitada ainda em relação aos trabalhos anteriores, tentando mudar seu timbre vocal, e também com diversas canções cujas letras não foram escritas por ele, apenas os arranjos. O trabalho é considerado o disco mais pessoal do músico. No ano seguinte, a música dá lugar aos tribunais, e Cohen trava uma batalha judicial contra seu empresário e contador, alegando ter sido roubado por eles em 5 milhões de dólares durante o periodo em que se dedicava ao budismo.

Quase quarenta anos depois de começar sua carreira, a vida de Leonard Cohen foi mostrada no cinema, no filme Leonard Cohen: I´m Your Man, dirigido por Lian Lunson e lançado em 2006. Em 2007, o músico lança Book of Longing, em parceria com Philip Glass, baseado em seu livro de mesmo nome. Cohen participa declamando suas poesias, e não cantando como em seus outros trabalhos, usando as canções de Glass como base. Cohen planeja, em 2008, sair em nova turnê e lançar um novo trabalho até o final do ano.

Clique aqui para ver clipes com músicas de Leonard Cohen

Por Valdir Antonelli, com informações da All Music Guide e da Wikipedia.

Facebook

AGENDA

<<  July 2014  >>
 Mon  Tue  Wed  Thu  Fri  Sat  Sun 
   1  2  3  4  5  6
  7  8  910111213
14151617181920
21222324252627
28293031   

NEWSLETTER

Deixe seu nome e e-mail para receber nossa newsletter.