Thursday Sep 18

House of Love

Attention: open in a new window. PrintE-mail

 

divulgaçãoFormado por Guy Chadwick nos vocais e guitarra, Terry Bickers na outra guitarra, Andrea Heukamp também nos vocais e guitarra, Pete Evans na bateria e Chris Groothuizen no baixo, o House of Love atraiu a atenção de Alan McGee, chefão da Creation Records que bancou Shine On, primeiro single do grupo, que foi lançado em 1987 com grande sucesso de crítica. Para promover o single fazem diversos shows pelo Reino Unido mas perdem Heukamp, que deixa a banda. O grupo resolve continuar o trabalho como um quarteto e no ano seguinte lançam o primeiro LP. O álbum foi aclamado pela crítica, sendo considerado um dos melhores discos do ano e a banda alcança status de cult, é deste álbum o maior sucesso do grupo, Christine.

No ano seguinte a banda assina com a PhonoGram/Polygram e lança mais dois singles, Never e I Don´t Know Why I Love You, ambos vão mal na parada inglesa e no final de 1989 outra baixa. Agora é a vez de Bickers deixar o grupo, em seu lugar entra Simon Walker. Em 1990 lançam o segundo disco, também levando apenas o nome da banda. Este segundo álbum, lançado pelo selo Fontana, mostra uma guinada no som da banda, indo de encontro ao brit pop de grupos como Stone Roses e Happy Mondays, deixando as semelhanças com Smiths e Jesus and Mary Chain para trás. Neste álbum regravam Shine On, primeiro single da carreira. Apesar de bom, o segundo álbum da banda foi recebido com muita frieza tanto pela crítica quanto pelos fãs.

Logo depois da turnê de divulgação do disco, Walker deixa a banda, entrando Simon Mawby. Com a nova formação, em 1992, o House of Love lança Babe Rainbow, com ótimas críticas e péssimas vendas. O álbum não foi entendido pelo público, que na época estava mais ligado nos novos grupos como Oasis e no grunge vindo de Seatle, algo um tanto diferente do som ´retro´ feito pelo House of Love. Com isso a banda resolve cessar as atividades dois anos depois, em 1994, logo depois do lançamento do fraco Audience With the Mind, álbum gravado em apenas duas semanas, mas sem a força dos anteriores.

Em 2005, talvez aproveitando a onda de retornos que assola o pop mundial, o House of Love também ressuscita e lança o bom Days Run Away, um mix de brit pop, com um pé no rock norte-americano, beirando o blues em alguns casos. Mas, como uma sina, o disco passa totalmente desapercebido do grande público.

Por Valdir Antonelli, com informações da All Music

Facebook

AGENDA

<<  September 2014  >>
 Mon  Tue  Wed  Thu  Fri  Sat  Sun 
  1  2  3  4  5  6  7
  8  91011121314
15161718192021
22232425262728
2930     

NEWSLETTER

Deixe seu nome e e-mail para receber nossa newsletter.