Beach Boys

Attention: open in a new window. PrintE-mail

Beach Boys - divulgaçãoCriado pelos irmão Brian, Dennis e Carl Wilson, que chamaram o primo Mike Love e o amigo Al Jardine, o Beach Boys aparecia apenas como uma banda praieira e pop, mesmo já contando com arranjos mais elaborados que grupos do mesmo naipe, isso graças à experiência de Brian com produção, Pet Souds, o disco mais comentado do grupo é uma obra quase totalmente feita por Brian e músicos convidados. A banda nasceu em um subúrbio de Los Angeles, Hawthorne,  e desde crianças, os três irmãos já criavam suas próprias canções, baseadas nos grupos vocais dos anos 50. Contaram com a ajuda de seus pais que compraram os instrumentos. Brian ficou com o baixo, Carl com a guitarra e Dennis com a bateria, além de pagarem pelas horas em estúdio, que resultaram na gravação de Surfin, primeira parceria entre Brian e Mike Love. O single de Surfin foi lançado em 61 e caiu nas graças da Capitol Records que bancou o disco Surfin´ Safari. Nesse meio tempo a banda já havia perdido Jardine, que preferiu continuar seus estudos. Em seu lugar entra um amigo da família Wilson, David Marks.

Surfin´ Safary sai no meio de 1962, e ainda mostra um Beach Boys ingênuo, mas seguindo o caminho que os deixariam famosos, músicas falando de praia, mulheres e carros. Esse disco ajuda a colocar outros artistas da California em evidência, gente como Dick Dale, Jan & Dean, The Chantays e muitos outros. Poucos meses se passam e a Capitol coloca mais um disco nas lojas, era a vez de Surfin´ U.S.A., que chegou ao top ten das paradas em 1963. Jardine também volta à banda.  Mostrando uma criatividade enorme, eles ainda gravam mais dois discos, Surfer Girl e Little Deuce Coupe. Nisso a Capitol tentou impor à banda que esta  trabalhasse com um produtor de fora, rapidamente Brian aproveitou as sessões de gravação e continuou  usando a sua criatividade para firmar a surf music no cenário roqueiro americano.

Até o final de 1963, os Beach Boys colocaram três discos no mercado, quatro se considerarmos o disco de estréia. Várias músicas  chegaram ao topo das paradas e as viagens se tornaram uma constante para o grupo. Os destaques vão para os arranjos, que, a cada disco, vão deixando de ser simplistas e ganhando harmonias e produção acima da média e Brian vai se destacando a cada dia como a cabeça pensante do grupo, seguindo minuciosamente os passos de Phil Spector.

No ano seguinte I Get Around, do disco All Summer Long,  chega ao posto mais alto da parada americana, se tornando o primeiro hit da banda a conseguir a façanha. Tamanha era a fama do grupo que o disco Beach Boys Concert, lançado em 1964, fica durante quatro semanas no topo, sendo mais um, dos cinco discos da banda, nas paradas simultaneamente.  Nesse ano resolvem fazer uma primeira turnê promocional pela Europa, o que  foi  demais para Brian, que já estava demonstrando sinais de não estar agüentando a pressão de gravar e tocar ao vivo. Tanto que, no final do ano, ele resolve abandonar a turnê pela metade e passa a se dedicar exclusivamente ao estúdio e à produção dos discos dos Beach Boys. Em seu lugar, até o final da turnê, entra Glen Campbell, que logo depois da volta aos Estados Unidos  é substituído pelo amigo de Brian, Bruce Johnston. Ainda, durante 1964, a banda lança outros dois, além de Beach Boys Concert (ao vivo)  e All Summer Long. São eles Shut Down Vol 2  e  The Christmas Album. Ainda, durante 1964, a banda lança outros dois, além de Beach Boys Concert (ao vivo)  e All Summer Long. São eles Shut Down Vol 2  e  The Christmas Album.

Enquanto o grupo deixava suas mensagens pelo mundo, Brian se dedicava totalmente ao trabalho de estúdio, escrevendo músicas e tocando com a nata dos músicos de Los Angeles que gravavam a base instrumental, para que Carl, Dennis, Mike e Al, colocassem os vocais quando estivessem na cidade. Help Me, Rhonda é dessa nova fase, saindo no disco Summer Days (and Summer Nights!), de 1965,  e sendo a segunda canção da banda à chegar ao topo da parada, também é desse disco o maior sucesso deles até hoje California Girls, canção favorita de Brian. Além de Summer Days, também são lançados os discos Today, o primeiro desde que Brian desistiu de excursionar, e Beach Boys´ Party. Esse último foi uma tentativa da gravadora de repetir o estrondoso sucesso de The Christmas Album, mas Brian, que  já estava mais interessado nas suas experimentações, que chegariam ao ápice no disco Pet Sounds, resolveu chamar  diversos  amigos que, junto com o grupo, regravaram várias músicas que eles gostavam. Foi um grande sucesso e Brian pode se dedicar totalmente à sua obra prima. Mas, mesmo antes de Pet Sound, Brian já mostrava toda a sua genialidade nos arranjos diferenciados que apareceram no disco Today. Uma séria de baladas com arranjos líricos e diversas incursões em letras mais adultas marcavam o lado B desse disco. Já no lado A, a surf music que a gravadora queria,  uma vez que  que a banda era um sucesso.

Ainda em 1965 sai o disco Rubber Soul, dos Beatles. Impressionado com o resultado Brian começa a escrever novas músicas, com letras de Tony Asher e produz faixas que demonstram a evolução de um homem, podemos dizer que seria a evolução dele próprio, da adolescência  à  maturidade. Preocupada com o novo lançamento, já que não via ali nenhum grande hit, a Capitol se mostrou resistente em lançar o novo trabalho e obrigou o grupo a gastar mais tempo nas gravações que em qualquer outro disco dos Beach Boys. O resultado foi o lançamento de Pet Sounds, disco que fez Paul McCartney correr atrás de seu produtor, George Martin, e perguntar se era possível  fazer algo melhor. George disse que sim e daí saiu o Sgt Peppers. Pet Sounds é considerado um dos mais importantes e influentes discos do nosso rock, sendo o ápice da criatividade de Brian Wilson. A crítica musical adorou o trabalho, mas os fãs americanos não entenderam muito bem a viagem de Brian. Mesmo assim o trabalho ganhou o disco de ouro nos Estados Unidos, o primeiro ganho pela banda desde o disco de estréia. Mas se o trabalho, apesar de vender bem, não agradou  aos americanos, do outro lado do Atlântico, na Inglaterra foi aclamado, chegando a ganhar a votação da New Musical Express como melhor álbum do ano, deixando o disco Revolver, dos Beatles, comendo poeira.

O próximo single lançado pelos Beach Boys foi Good Vibrations, que, originalmente, deveria ter saído em Pet Sounds mas foi limado por Brian. Good Vibrations resume o trabalho que foi gravar Pet Sounds, já que gastaram mais de seis meses apenas na produção do single. Lançado em outubro de 1966, Good Vibrations foi o terceiro single da banda a chegar ao número um da parada americana, e é considerada uma das melhores músicas já gravadas em todos os tempos. Depois desse lançamento Brian volta à produção do próximo disco da banda, Dumb Angel, primeiro nome do projeto, que  prometia ser tão grandioso como seu antecessor, Pet Sounds, para isso ele chama Van Dyke Parks, conhecido e excêntrico letrista,  para ser seu parceiro no novo álbum. Os dois passam a gravar centenas de fragmentos de músicas, criando uma expectativa sem tamanho para o lançamento de Smile, novo nome do trabalho. Nesse meio tempo  os problemas de Brian com drogas começam a aparecer. Os demais membros da banda não gostaram do trabalho, principalmente das letras feitas por Parks. Um racha estava se formando entre Brian e o resto dos Beach Boys, que achavam que seu julgamento estava sendo prejudicado pelo excesso de LSD e maconha. Independente disso, essas mesmas drogas estavam abrindo um horizonte para a banda, que daria o ponta-pé no rock psicodélico. Outro problema que  se avolumou, foi a ´briga´ entre os Beach Boys e os Beatles,  o  que  deixou  Brian cada vez mais obcecado pela perfeição. O soco no estomago foi dado com o lançamento de Sgt Peppers, e culminou, com o abandono do projeto Smile.                                

Falando um pouco mais sobre o Smile, muitos dizem que a banda chegou a acabar nessa época, mas voltou logo depois, tirando o poder decisório das mãos de Brian Wilson.  O projeto foi cancelado poucas semanas depois do lançamento de Sgt Peppers, disco mais importante dos Beatles, e que teve total influência de Pet Sounds. Isso minou ainda mais a já frágil, graças as drogas, saúde de Brian. O grupo, então, se reunião no estúdio montado por Brian em sua mansão e fez novas versões de algumas músicas que entrariam no Smile. Essa nova gravação ganhou o nome de Smiley Smile. Carl Wilson disse que o LP foi uma grande cabeçada, ao invés de um grande trabalho e a falta de coesão quase destruiu a reputação dos Beach Boys. Existem várias versões do disco Smile, nenhuma pode ser chamada de oficial, já que foram gravadas mais de 100 canções. Brian vive prometendo o lançamento do disco, o que não aconteceu até hoje.
correr atrás de seu produtor, George Martin, e perguntar se era possível  fazer algo melhor. George disse que sim e daí saiu o Sgt Peppers. Pet Sounds é considerado um dos mais importantes e influentes discos do nosso rock, sendo o ápice da criatividade de Brian Wilson. A crítica musical adorou o trabalho, mas os fãs americanos não entenderam muito bem a viagem de Brian. Mesmo assim o trabalho ganhou o disco de ouro nos Estados Unidos, o primeiro ganho pela banda desde o disco de estréia. Mas se o trabalho, apesar de vender bem, não agradou  aos americanos, do outro lado do Atlântico, na Inglaterra foi aclamado, chegando a ganhar a votação da New Musical Express como melhor álbum do ano, deixando o disco Revolver, dos Beatles, comendo poeira.

O próximo single lançado pelos Beach Boys foi Good Vibrations, que, originalmente, deveria ter saído em Pet Sounds mas foi limado por Brian. Good Vibrations resume o trabalho que foi gravar Pet Sounds, já que gastaram mais de seis meses apenas na produção do single. Lançado em outubro de 1966, Good Vibrations foi o terceiro single da banda a chegar ao número um da parada americana, e é considerada uma das melhores músicas já gravadas em todos os tempos. Depois desse lançamento Brian volta à produção do próximo disco da banda, Dumb Angel, primeiro nome do projeto, que  prometia ser tão grandioso como seu antecessor, Pet Sounds, para isso ele chama Van Dyke Parks, conhecido e excêntrico letrista,  para ser seu parceiro no novo álbum. Os dois passam a gravar centenas de fragmentos de músicas, criando uma expectativa sem tamanho para o lançamento de Smile, novo nome do trabalho. Nesse meio tempo  os problemas de Brian com drogas começam a aparecer. Os demais membros da banda não gostaram do trabalho, principalmente das letras feitas por Parks. Um racha estava se formando entre Brian e o resto dos Beach Boys, que achavam que seu julgamento estava sendo prejudicado pelo excesso de LSD e maconha. Independente disso, essas mesmas drogas estavam abrindo um horizonte para a banda, que daria o ponta-pé no rock psicodélico. Outro problema que  se avolumou, foi a ´briga´ entre os Beach Boys e os Beatles,  o  que  deixou  Brian cada vez mais obcecado pela perfeição. O soco no estomago foi dado com o lançamento de Sgt Peppers, e culminou, com o abandono do projeto Smile.

Falando um pouco mais sobre o Smile, muitos dizem que a banda chegou a acabar nessa época, mas voltou logo depois, tirando o poder decisório das mãos de Brian Wilson.  O projeto foi cancelado poucas semanas depois do lançamento de Sgt Peppers, disco mais importante dos Beatles, e que teve total influência de Pet Sounds. Isso minou ainda mais a já frágil, graças as drogas, saúde de Brian. O grupo, então, se reunião no estúdio montado por Brian em sua mansão e fez novas versões de algumas músicas que entrariam no Smile. Essa nova gravação ganhou o nome de Smiley Smile. Carl Wilson disse que o LP foi uma grande cabeçada, ao invés de um grande trabalho e a falta de coesão quase destruiu a reputação dos Beach Boys. Existem várias versões do disco Smile, nenhuma pode ser chamada de oficial, já que foram gravadas mais de 100 canções. Brian vive prometendo o lançamento do disco, o que não aconteceu até hoje.

Enquanto os Beatles entravam de cabeça na psicodelia, os Beach Boys se mostravam um pouco mais conservadores, até um pouco retrógrados. Mas, aproveitando que seriam os astros principais do festival Monterey Pop Festival, em 1967, a banda se reune e lança, pouco mais de três meses após Smiley Smile, um novo disco, Wild Honey, uma volta ao básico, à tríade, mulheres, praia e carros. Essa tentativa de voltar ao topo fracassou diante da rebeldia hippie, que dizia que o som da banda estava acabado, e pelas críticas que detonaram o trabalho durante vários meses. O fracasso de Wild Honey e de seu sucessor, Friends, na época, não apagou o brilhantismo dos discos. Wild Honey e Friends estão hoje entre os discos mais queridos pelos fãs dos Beach Boys, mostrando um grupo totalmente diferente daquele do tempo de Today. Wild Honey mostra os primeiros flertes do grupo com o blues, e Friends é o oposto, é um disco suave, totalmente pop, tentando mostrar que o grupo permanecia unido, apesar de todos os problemas. Infelizmente a gravadora Capitol, não viu com bons olhos o fracasso desses dois trabalhos e despediu a banda, que assinou, um ano depois, com a Reprise Records. Antes de sairem da Capitol ainda lançam 20/20, que só tem como destaque a faixa Never Learn Not To Love, composta por Charles Mason,  o  mesmo que matou a atriz Sharon Tate.

Já na Reprise, em 1970, sai Sunflower, surpreendendo a todos com o retorno das maravilhosas harmonias que marcaram o trabalho da banda até o meio dos anos 60. Outra diferença foi que vários membros do grupo assinaram as composições, ao contrário do que acontecia antes, já que apenas Brian Wilson fazia isso. Mas Brian também está presente com belas faixas, uma delas, que deveria ter entrado em Smile, é Cool, Cool, Water. No ano seguinte mais um disco, Surf´s Up, que também vem com faixas da época de Smile - provando que este era realmente um grande disco, mas que foi mal aproveitado. Surf´s Up mostra realmente que Brian não está mais no comando da banda, e nem por isso, a qualidade foi menor. O problema de Surf´s Up, é que ele parece ser uma compilação de várias músicas, não mostrando uma banda em si, mas vários interesses individuais. Durante a gravação desse disco, Dennis Wilson, machuca as mãos e tem que ser substituído por Ricky Fatarr, chamam também o guitarrista Blondie Chaplin, dois integrantes da banda Flame, um grupo sul-africano que foi produzido por Carl e lançado pelo selo dos Beach Boys, Brother Records, um ano antes.

O primeiro disco que conta com a participação total de Fataar e Chaplin é Carl and The Passions - So Tough. O disco mostra um Beach Boys começando a flertar com a soul music, fugindo do som clássico da banda. Marca também a transição entre Brian e Carl, que passa a comandar a produção dos novos trabalhos do grupo. Já Brian tem sua saúde balançando, e passa muito mais tempo em sua mansão do que tendo contato com o mundo exterior. Ocasionalmente ele contribui com novas canções, mas não é mais considerado um membro dos Beach Boys, ele nem mesmo aparece nas fotos promocionais da banda. O disco foi um leve fracasso e ninguém entende como a Reprise assumiu um risco tão grande, já que autorizou à banda que gravasse em Amsterdam o trabalho seguinte. Holland continua na mesma balada do disco anterior. Os flertes com a soul music estão cada vez maiores, mas o disco não representa uma subida para a banda. O disco entra apenas no Top 40 das paradas e o single Sail on, Sailor   toca em poucas rádios. Fora que Holland tem pouquíssimas críticas na mídia americana.

Talvez por isso a banda tenha diminuído o ritmo nos lançamentos durante a primeira metade dos anos 70, se dedicando apenas aos shows. Uma boa idéia, já que os Beach Boys foram, durante os anos 60, os maiores criadores de hits e seus shows continuavam lotados. Em 1973 lançam o terceiro disco ao vivo da carreira. The Beach Boys in Concert. No ano seguinte a Capitol resolve relançar os antigos sucessos em uma coletânea, Endless Summer. Endless Summer foi um estrondoso sucesso, ficando durante três anos nas paradas e ganhando o disco de ouro. O disco serviu para aumentar a fascinação do público com o rock feito nos anos 60. Até mesmo a revista Rolling Stone, que nunca foi com a cara do grupo, os nomeou como Banda do Ano. Essa coletânea e a seguinte, Spirit of America, convenceram o grupo de que era hora de voltar aos estúdios e gravar um novo disco.

O disco seguinte marca a volta de Brian Wilson ao grupo, e a gravadora usou isso como marketing para vender 15 Big Ones. O disco esquece a soul music dos dois álbuns anteriores e vem sem a participação de Fataar e Chaplin. Mas a expectativa pela volta de Brian era muito maior do que a qualidade do disco. Nada que justificasse a aura criada pela gravadora. No fundo 15 Big Ones é apenas bom e se tivesse sido  lançado em outra época teria feito a festa dos fãs. Mas estes queriam muito mais do que Brian poderia dar. No mesmo ano mais um disco ao vivo, The Beach Boys Live in London, gravado originalmente em 1969. Em 1977 mais um disco, Beach Boys Loves You, onde a banda descobre os sintetizadores e cria algumas boas canções como Let Us Go on This Way e Mona, mas também destrói outras, como em I´ll Bet He´s Nice. Independente disso Love You é considerado o melhor disco dos Beach Boys em vários anos.

Dois anos se passam e em 1979 sai M.I.U. Album, um disco totalmente ignorado pela mídia e fãs mas que vem com boas músicas como She´s Got Rhythm, uma tentativa de soar como os artistas da gravadora Motow e algumas boas versões. Logo depois do lançamento de M.I.U. a banda assina com a CBS, que estipula no contrato que Brian Wilson tem que estar envolvido na produção de cada disco. Os dois trabalhos L.A. (Light Album) e Keppin´s the Summer Alive, são considerados péssimos por todos, com apenas um ou outro momento que faz lembrar as boas músicas já feitas pela banda. Junte-se a isso a crise envolvendo o irmão de Mike Love, que gerenciava a carreira da banda e que causou vários prejuízos ao grupo,  e os Beach Boys estavam a um passo do fim.

Fim que poderia chegar com a decisão de Dennis e Carl de deixarem a banda e partirem para carreiras solo. Dennis lançou o disco Pacific Ocean Blue, gravado em 1977, mas só lançado em 1980. Já Carl lança seu disco apenas em 1981. Brian é novamente afastado do grupo devido à problemas com excesso de peso. A banda é novamente reunida em 1983, graças a  um  trágico acidente que matou Dennis e,  em 1985,  lançam um novo trabalho. The Beach Boys é massacrado pela crítica que julga excessivo o uso dos sintetizadores, mas esse é o disco da banda que mais se aproxima  da sonoridade vigente na época.

Em 1988 gravam Kokomo, novamente sem Brian Wilson, para a trilha sonora do filme Cocktail, e a música estoura no mundo inteiro. Com o sucesso de Kokomo resolvem voltar aos estúdios para mais um disco. Still Cruising, lançado em 1989, é o álbum, considerado um frankstein pela crítica, já que vem com algumas novas canções, além do hit Kokomo, e no final aparecem as versões originais de I Get Around, California Girls e Wouldn´t it Be Nice.

Já Brian estava impressionado com o trabalho do Dr Eugene Landy, psiquiatra, que, de acordo com suas próprias palavras, mudou sua vida. Landy trabalhou com Brian em sua autobiografia chamada Wouldn´t It Be Nice, e escreveu as letras de seu primeiro disco solo, lançado em 1988. A crítica e os fãs adoraram ver o antigo ídolo voltando aos estúdios, mas a volta foi eclipsada pelo sucesso inesperado de Kokomo. Pra ajudar Mike Love processa Brian por achar que tem direitos sobre algumas das faixas do disco solo do músico. Brian realmente assume que Love tem envolvimento no trabalho.

Desfeita qualquer intriga,  os Beach Boys continuam tocando juntos durante todos os anos 90 e lançam o Summer in Paradise em 1992. Brian Wilson e Mike Love fizeram as pazes e compuseram diversas músicas em 1995. Nesse mesmo ano um novo disco é lançado, Stars and Stripes, Vol 1, uma coletânea onde astros da country music regravam os vocais de algumas canções da banda como I Get Around,    Help me, Rhonda, entre outras. Um documentário sobre a vida de Brian, I Just Wasn´t for These Times, também é exibido no Disney Channel. Com a repercussão resolvem tentar um novo disco, mas durante a produção Carl morre de câncer,   em 1998.

No final dos anos 90 e começo dos anos 2000, Brian passa a trabalhar com vários artistas alternativos, todos fãs declarados do músico, como Sean O´Hagan, da banda High Lamas, numa série de gravações ainda não lançadas. Mas a antiga união não existe mais. Desde 1999, três Beach Boys fazem turnês pelos Estados Unidos. Brian Wilson com seu trabalho solo, mas cheio de canções da banda. Beach Boys liderado por Mike Love e convidados, e Beach Boys Family, com Al Jardine e convidados. Também no ano 2000,  a Capitol, antiga gravadora da banda, assina um compromisso de lançar todos os discos da banda saídos na década de 70 e que já estavam fora de catalogo.

Em 2004 é, finalmente, lançado o disco Smile, em uma versão fiel à que foi gravada por Brian Wilson na década de 60. Com o lançamento do disco, Brian Wilson passa a aparecer em diversos festivais, chegando a tocar no Brasil, durante o TIM Festival do ano passado.

É inegável a influência dos Beach Boys no atual rock mundial, até mesmo por terem obrigado os Beatles a fazerem o Sgt Peppers e com isso mudado a ordem mundial que reinava na música. Mas também é inegável que a banda, sem seu maior mentor, Brian Wilson, não conseguiu fazer nada muito espetacular depois de seu afastamento, os próprios membros dizem que todo o material lançado depois de 1966, coincidentemente o ano de Pet Sounds, é uma droga.  No entanto,  é difícil prever se com Brian,  se entupindo de drogas, o grupo conseguiria fazer algo melhor do que fez durante muitos anos.

Por Valdir Antonelli

Facebook

AGENDA

<<  April 2014  >>
 Mon  Tue  Wed  Thu  Fri  Sat  Sun 
   1  2  3  4  5  6
  7  8  910111213
14151617181920
21222324252627
282930    

NEWSLETTER

Deixe seu nome e e-mail para receber nossa newsletter.